Apresentação

O Gabinete de Apoio a Casos Especiais (GACE), é uma estrutura de apoio educativo especializado, criada em 1996, destinada a assegurar o apoio e o acompanhamento pedagógico, didático, motor e técnico de alunos portadores de problemas diversos, para os quais o respetivo professor identifique necessidade de intervenção especial ou complementar.

Esta estrutura dispõe de uma sala de exercício dotada de meios especializados para a intervenção solicitada.

Para cada aluno integrado neste programa de intervenção será elaborado um Plano Individual de Ensino e Aprendizagem, validado no termos previstos pela Legislação e acordado com o Diretor de Turma, com o Encarregado de Educação e caso se justifique, com o Núcleo de Apoio Especial.

Poderão ainda ser integrados alunos que, por razões associadas à especificidade da intervenção a efetuar (exemplo: reabilitação postural, recuperação física, ou outra similar), dispensam o enquadramento de plano individual de ensino e aprendizagem, bastando para isso a autorização dos encarregados de educação para a execução do plano proposto.

Recursos humanos

O GACE deverá ser coordenado por um Docente do grupo de Educação Física, que assumirá o papel de articulação, supervisão e enquadramento das atividades levadas a cabo neste contexto.

Fazem ainda parte deste Gabinete todos os docentes do Grupo de Educação Física, em particular aqueles que por disponibilidade horária ou necessidade de acompanhamento do aluno, vejam a sua intervenção justificada, ou ainda, aqueles com especialização técnica para a intervenção solicitada.

De algum tempo a esta parte, os docentes Artur Correia da Silva (coordenador do projeto) e José Carvalho asseguram a grande maioria das intervenções levadas a cabo por este gabinete.

Objetivos

Este Gabinete terá por objetivos:
  • Assegurar o devido acompanhamento e apoio dos alunos portadores de casos especiais adiante indicados;
  • Assegurar a complementaridade educativa do aluno em relação à disciplina de Educação Física;
  • Assegurar a complementaridade na recuperação física, motora, cognitiva e sócio-afetiva do aluno nos casos em que tal intervenção seja prescrita;
  • Assegurar a articulação entre a Escola, os Encarregados de Educação, os Médicos e Técnicos Especialistas e outras estruturas, procurando potenciar a intervenção junto do aluno;
  • Assegurar as estratégias de inclusão e integração do aluno portador com deficiência nos contextos de turma;
  • Assegurar o apoio ao professor no contexto de aula, designadamente junto dos alunos portadores de casos especiais (integrado na turma).

Destinatários

Os alunos integrados neste projeto e para os quais serão desenvolvidas as atividades previstas neste gabinete, são:
  • Alunos Portadores de Deficiência Visual (Cegos e Amblíopes);
  • Alunos com Problemas Posturais;
  • Alunos com problemáticas do foro respiratório / pneumologia;
  • Alunos com Lesões Traumáticas ou em recuperação fisiátrica;
  • Alunos em fase de recuperação cirúrgica;
  • Alunos com suspeita de consumo de substâncias psicotrópicas;
  • Alunos com dificuldades a nível psicomotor.
Desde o início da sua atividade este gabinete tem garantido a intervenção, a uma média de 12 alunos por ano.

Metodologias de intervenção

Todas as metodologias de intervenção decorrerão a partir de criteriosos processos de análise e diagnóstico da situação do aluno, para quem são elaborados planos de ensino e de apoio individual, devidamente acompanhados pelo respetivo professor da turma e pelo professor que irá intervir neste contexto.

A participação dos docentes pode decorrer tendo por referência os seguintes modelos de intervenção:
  • Em apoio a ser ministrado na aula (apoio de um professor na aula)
    Será destacado um docente, cujo horário se afigure compatível com a intervenção solicitada, para intervir em apoio ao professor da turma, ou seja, a intervenção junto do aluno é efetuada sem o retirar do contexto de turma, promovendo a inclusão deste aluno na turma.
  • Em apoio ministrado na sala de exercício
    A intervenção é ministrada fora do contexto da aula, em horário compatível entre o aluno e o docente (da turma ou outro destacado para o efeito). A prescrição do exercício e da atividade será levada a cabo tendo em consideração o diagnóstico e os objetivos preconizados para o efeito e realizam-se na sala de exercício.
  • Em apoio misto
    A intervenção a ministrar pode assumir um modelo misto, ou seja que preveja a integração dos dois modelos anteriores (uma aula com intervenção na turma e outra na sala de exercício).
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedInShare with friendsPrint this page